quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

tempo

Então me vi lavando a louça e o paninho da pia exatamente como a Cristina, a moça que cuidou de mim desde o dia em que eu nasci até eu fazer uns cinco anos. Durante longo tempo, tudo o que eu almejava era fazer tudo o que ela fazia, do jeito que ela fazia: do trabalho de artes que ela terminava tarde da noite até o bolinho de chuva das tardes frias em que a gente brincava de lanchonete. Sou hoje mais velha do que ela era na época em que cuidava de mim, e bem mais desajeitada, acredito. Mas já lavo a louça, escrevo carta de amor, passo roupa, descasco batatas, desenho coqueiros, faço feijão... tudo aquilo que eu achava tão bonito e não podia fazer... quem sabe eu até daria conta de cuidar de um bebê. A vida já me exigiu tanto.

Feliz ano novo e vida nova para quem aprendeu o significado de ser adulta. É ser tudo o que sonhou e se entristecer por perceber que a sublimação era aquela aparente incompletude, tão completa no seu desejo de ser. Porque se tornar gente grande é possível, embora pareça demorar uma eternidade, mas voltar a ser criança...

5 comentários:

Rodrigo Caetano Pinto disse...

Faz bem feito o que faz.
Tão bom é vc alcançar suas vontades que me dá bastante alegria!
Feliz ano novo bonitinha.

Vinícius disse...

Texto bonito e muito delicado, como sempre! =) feliz ano novo!

Ana disse...

Ana que lindo, você sempre traduz tudo que eu não consigo expressar em sentimentos, ainda não descobri se sou adulta, mas o mundo exige cada vez mais que eu me decida logo, e eu teimo em ser esse misto de criança com gente grande, não sei ainda quando vou descobrir, o mundo já me doi como só um adulto sente, mas eu levanto os olhos e vejo as estrelas, como a criança que um dia fui...
Um beijo e um 2013 maravilhoso pra vc

Clayton Soares (FEBBEM) disse...

feliz 2013, muito bom ler um texto teu.

Clayton Soares disse...

sera que a senhorita pode voltar a escrever por gentileza!! os teus textos nos faz falta